Porque sem ele, não teríamos saído da Idade da Pedra. Com amor, respeito e opinião tudo se resolve, tudo evolui...

04
Mai 14

 

Nada melhor do que acabar este livro no Dia da Mãe. Padeira de Aljubarrota leva-nos a uma viagem à Idade Média portuguesa, até à crise de sucessão portuguesa e à batalha final contra Castela em 14 de Agosto de 1385.

Antes de tudo, leva-nos igualmente numa viagem à lenda da Padeira de Aljubarrota. Mais do que um conto, é uma história que coloca um rosto e corpo a esta heroína portuguesa. Dá vida, corpo e alma a uma quase desconhecida mulher da nossa História.

O livro não deixa de ser um romance escrito por Maria João Lopo de Carvalho, mas baseia-se sempre que possível em factos históricos e verídicos desta época.

 

O romance começa na infância das personagens principais, ainda no tempo de D. Fernando I e de seus amores por D. Leonor Teles e caminha a partir daí entre as intrigas e traições de Reis e Rainhas de Portugal e Castela. Pelo caminho vamos conhecendo os personagens que dão corpo ao romance, entre os quais como é evidente, a própria padeira e demais pessoas que vão aos poucos aparecendo na sua vida. Desde o próprio Mestre de Avis que seria coroado D. João I depois desta crise sucessória, mas também D. Beatriz, Infanta de Portugal, passando por Nun'Alvares, O Santo Condestável, herói nas batalhas contra Castela, entre outros conhecios e desconhecidos na nossa História. 

Vamos também nos apercebendo que todos estão de certa forma ligados entre si mas que isso não impede de serem inimigos e amantes, traidores e lutadores por causas diferentes.

 

Por ponto negativo, considero apenas a pouca substância dada à Batalha de Aljubarrota a 14 de Agosto de 1385. Acho a parte final do romance pouco desenvolvida para aquilo que fomos ansiando desde o inicio, não só por ser um dos acontecimentos históricos mais importantes para o nosso país, mas também e porque isto não se trata apenas de História de Portugal pura, porque também estamos a falar do acontecimento que deu nome e lenda à Padeira de Aljubarrota, que com a sua pá matou sete inimigos castelhanos na pequena aldeia perto de Alcobaça.

 

Ler este livro é enaltecer a nossa mãe, a nossa esposa, a nossa filha, avó ou tia. É enaltecer a mulher portuguesa, de armas e coração, coragem e amor.

 

"Ler é viajar, conhecer e sonhar" por Álvaro Faustino.

 

publicado por Alvaro Faustino às 19:35

Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
comentários recentes
eu preciso trabalho se houver eu arrisco,,melhor q...
Boa tardeGostaria de tentar a minha sorte por lá t...
tem trabalho para mim moro no luxembourg mas gosta...
Ola alguém me pode ajudar a ter trabalho para ai p...
Que bom para si Ana. Pena não ter reparado na data...
Eu estou na holanda .Não trabalho porque não quero...
procuro trabalho na Holanda em estufas de flores p...
Gostaria de trabalhar em estufas na Holanda poi em...
quala é a empresa?
Boas, sou estudante e procuro trabalho no verão na...
blogs SAPO