Porque sem ele, não teríamos saído da Idade da Pedra. Com amor, respeito e opinião tudo se resolve, tudo evolui...

01
Abr 12

Mais um pequeno olhar sobre uma obra em desenvolvimento. Espero que gostem.

 

            "Estavam já a comer o pato preparado por José, quando Afra’ recupera a consciência e abre os olhos. Quieta, apenas o seu olhar varria o espaço. Pensou que seria melhor esperar até perceber onde estava e quem seriam aquelas pessoas. Seriam muçulmanas ou cristãs? Ela não podia correr o risco de ser descoberta como uma muçulmana, não agora com um bebe. Mas onde estava o seu bebe? Teria sobrevivido? Apenas tacteou com a sua mão esquerda o mesmo lado e sentiu o que seria um pequeno corpo. Era o seu rebento com certeza.  – Mãe, a mulher acordou. – gritou Tiago ao ver a sua mão mexer. Afra’ levanta-se de rompante e pega no seu bebe, encostando-se a um dos cantos da velha casa. Cheia de medo, espera o próximo passo das estranhas pessoas.

          - Calma. – diz-lhe Maria. – Vossemecê está em segurança com a sua filha. – Afra’ olha para o seu bebe pela primeira vez. – Senhora, venha comer algo e nós dizemos o que quer saber. Vossemecê está assustada, mas nós não lhe queremos mal. – diz José para tentar acabar com o medo da mulher. – Venha, junte-se a nós. – insiste José e virando-se para a sua família diz – Vamos. Continuemos a refeição. – e com isto, afastam-se de Afra’ com a sua filha ao colo.

Aos poucos, Afra’ começa a ganhar confiança, afinal se lhe queriam fazer mal já o teriam feito à muito tempo. Estava limpa e com roupas lavadas e também esta solta. Não estava amarrada ou algo parecido. Olha mais uma vez para a sua filha. Estava limpa, quente e aconchegada numa manta. De certeza que seriam boas pessoas, tinham-nas ajudado naquela floresta. Perdeu o medo e aos poucos aproxima-se da família.

          José apercebe-se da sua proximidade e separa um naco de comida para ela. – Venha, coma algo. Vossemecê precisa de se alimentar, até porque tem a sua filha para amamentar. - Era verdade, conclui Afra’. Sentia-se fraca, cansada e precisaria de um leite forte para a sua filha. Aceitou a comida e senta-se no chão, próxima dos restantes, mas a uma distância que a deixava confortável."

 

Excerto de um romance especial, por Alvaro Faustino.

publicado por Alvaro Faustino às 20:27

Olá amigos, a esta hora não estou muito inspirado. Estou cansado, vim agora de um jantar bem servido e de uma noite bem passada com os meus vizinhos do andar de baixo. Boa gente, graças a eles vou conhecendo artistas de música portugueses, assim do tipo Emanuel e Tony Carreira. É porreiro, mas para a próxima calha cá em casa e portanto o trabalho é meu. Ou melhor, da minha mulher, mas ajudo no que posso.

Por outro lado, amanhã tenho uma deslocação ao estúdio da TVI, onde transmitem o programa "Circo das Celebridades", não que esteja ansioso de conhecer aquele ser andrógeno que é o Castelo Branco, mas apenas porque integro o Grupo de Danças e Cantares de Modivas e devido a isso, lá terei eu de ir dar a conhecer a cultura da minha terra.
"Isto eras tu em 2006, 6 anos decorridos a diferença. Parabens por tudo o que construiste.
ciloca a 12 de Abril de 2012 às 22:34

Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
comentários recentes
eu preciso trabalho se houver eu arrisco,,melhor q...
Boa tardeGostaria de tentar a minha sorte por lá t...
tem trabalho para mim moro no luxembourg mas gosta...
Ola alguém me pode ajudar a ter trabalho para ai p...
Que bom para si Ana. Pena não ter reparado na data...
Eu estou na holanda .Não trabalho porque não quero...
procuro trabalho na Holanda em estufas de flores p...
Gostaria de trabalhar em estufas na Holanda poi em...
quala é a empresa?
Boas, sou estudante e procuro trabalho no verão na...
blogs SAPO